Universidade na mira

miniaturas-03

Maria Vitória Aleixo tem 18 anos e vê nos estudos o caminho para alcançar seus objetivos. A jovem sonha em cursar Farmácia e já se prepara intensamente para prestar o Enem no próximo ano. Atualmente, ela faz o ensino médio Técnico em Química, no IFRJ São Gonçalo.

Maria cursou o Ensino Fundamental na Escola Municipal José de Anchieta, localizada no Morro do Céu, em Niterói. Em 2017, conheceu o IJCA através da escola. Fez o Reforço Escolar, projeto do Fortalecendo Trajetórias e, com muita dedicação aos estudos, foi aprovada no IFRJ. “. Eu não esperava ingressar no IFRJ, para mim foi um grande presente de aniversário, já que descobri que estava aprovada dois dias depois do meu aniversário de 15 anos. Para minha família foi uma grande surpresa”, afirma.  

Para a jovem, a chegada em uma escola federal foi impactante. “Foi uma grande mudança, descobrir que o mundo era diferente da minha realidade. Percebi que não tinha base para fazer o ensino médio, minha maior dificuldade foi matemática e todas as matérias que envolviam matemática”, lembra. Maria Vitória conta que além da dificuldade com as matérias sofria muito com a autocrítica. “No IF existem psicólogas, quando um aluno não está com bom rendimento escolar os professores normalmente o encaminham para conversar com elas. No começo eu achei muito estranho e depois eu amei conversar com elas foi muito importante”, ressalta.

Outro grande desafio enfrentado por ela e sua família era o temor de não conseguir se manter estudando devido ao deslocamento. A mãe de Maria Vitória trabalha como diarista e precisa trabalhar em mais casas para apoiar a continuar estudando. Quando ela conseguiu o cartão da passagem, ele não contemplava todo o percurso até a escola diariamente. Fiquei assustada e já estava me desesperando, quando descobri que a escola tinha um programa de assistência estudantil, que disponibiliza um cartão que vai cobrir o resto dos gastos com passagem. Entrei no processo seletivo, levei meus documentos e comprovantes com o valor que eu gastava de passagem. Tenho o auxílio estudantil desde 2018, o que me permite estudar”, ressalta Maria, complementando: “E ainda tem quem pense que o Instituto Federal é balbúrdia. Deveria saber que ele permite pessoas como eu, da favela e de baixa renda, sonhar com um futuro melhor e nos faz ter oportunidade para competir com a elite. O IF abre portas para o mundo”.

Para ela, o instituto a ajudou a ampliar suas perspectivas de vida. “O IJCA foi o lugar que me permitiu sonhar, me ensinando mais do que matemática e português. Eu conheci o IFRJ através do IJCA, o instituto me incentivou muito, me ensinou a como me inscrever para a prova e em como me preparar para esse grande desafio”, afirma. Ela sonha com a formação superior para ingressar em um bom emprego e ser capaz de efetuar mudanças positivas na vida das pessoas. “Quero também ser capaz de fazer um intercâmbio um dia, esse é dos motivos para eu estudar e sempre acreditar no futuro. E por último ter uma estabilidade financeira legal, para ser capaz de ajudar minha mãe e meu irmão, às pessoas que mais amo na minha vida”, afirma.

Compartilhe

Posts Relacionados

Confira o resultado final do processo seletivo para cursos remotos (ensino à distância)

Atenção! Saiu o resultado do Processo Seletivo para cursosremotos em Administração de Materiais e Técnicas de Atendimento do programa Oficina...

Conexão IJCA e Alemanha

Oceanógrafa, mestre em geociências e recém empreendedora, Francielly Monteiro viu na educação a porta para alcançar seus objetivos. A jovem,...

IJCA leva Guia Acesso e Permanências para escolas e pré-vestibulares

No ano em que o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), registra mais de cinco milhões de inscrições – o...